CNBB confere ao Santuário de Anchieta o título de Santuário Nacional


Na foto (esq. p/ dir.), arcebispo de Mariana, dom Geraldo Lyrio; cardeal Raymundo Damasceno de Assis, arcebispo de Aparecida; dom Sérgio da Rocha, presidente da CNBB e arcebispo de Brasília; padre César Augusto dos Santos, SJ, reitor do Santuário Nacional de São José de Anchieta.

No dia 24 de abril, os participantes da 53ª Assembleia Geral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) aprovaram a concessão do título de Santuário Nacional ao referido Santuário de São José de Anchieta (foto), localizado na cidade de Anchieta (ES). No Brasil, apenas o Santuário Basílica de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP), possuía esse título.

Para o padre César Augusto dos Santos, SJ, reitor do Santuário de São José de Anchieta, o local torna-se referência para todo o Brasil e para o mundo. “Esse título significa reconhecimento à ação evangelizadora de Anchieta, que já atingiu toda a nação. Sua devoção está viva e espalhada por todo o território nacional”, afirmou padre César.

A CNBB, por decreto, também outorgou a São José de Anchieta o título de padroeiro secundário do Brasil, junto de Nossa Senhora Aparecida, com todos os direitos e privilégios litúrgicos que estejam de acordo com as rubricas. A decisão contempla o fato de que o apóstolo do Brasil dedicou sua vida à pregação do Evangelho, contribuindo para que os princípios evangélicos estivessem nas origens da cultura e da formação do Brasil.

“O povo brasileiro terá, agora, o privilégio de contar com a proteção de Nossa Senhora Aparecida e de São José de Anchieta. Esperamos que, com esse reconhecimento, cresça, a cada dia, o número de devotos que visitam o Santuário Nacional de Anchieta para louvar, pedir e agradecer as graças alcançadas, por meio de sua intercessão”, concluiu padre César.

Nos santuários, ponha-se à disposição dos fiéis, meios de salvação mais abundantes, como o anúncio cuidadoso da Palavra de Deus, o fomento da vida litúrgica, principalmente por meio da celebração da Eucaristia e da Penitência, e ainda com o cultivo de formas aprovadas de piedade popular. Nos santuários ou em lugares adjacentes conservem-se e guardem-se com segurança para serem vistos os ex-votos de arte popular e outros testemunhos de piedade.

O arcebispo considerado padrinho do título, foi dom Geraldo Lyrio, capixaba natural de Fundão e, atualmente, arcebispo de Mariana (MG). Segundo ele, o título tem um grande significado para a cidade de Anchieta, para o estado do Espírito Santo, e para o Brasil. “Anchieta é uma das pessoas que colaborou de modo extraordinário para forjar a nação brasileira com os traços que ele procurou cultivar na sua catequese, no seu empenho com os índios, na fundação de São Paulo, Rio de Janeiro, dentre outras cidades. Anchieta é uma figura, de grande projeção e relevância mais é, sobretudo, o grande catequista, o grande missionário, o grande apóstolo do Brasil.”

 

Fonte| Comunicação do Santuário Nacional de São José de Anchieta