OLMA apoia manifesto contra medidas migratórias de Trump


Refugiados cruzam a fronteira da Grécia com a Macedônia

O Observatório Nacional de Justiça Socioambiental Luciano Mendes de Almeida (OLMA), organismo de articulação das ações sociais da Província dos Jesuítas do Brasil (BRA), manifestou concordância e apoio à Província Centro-Americana da Companhia de Jesus, à Comissão Provincial do Apostolado Social e à Rede Jesuíta com Migrantes da América Central, que produziram o manifesto É tempo de construir pontes, não muros! O documento expressa a preocupação e rejeição das instituições às medidas migratórias anunciadas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Clique aqui e leia a íntegra do manifesto.

“Com o apoio ao chamado da Província Centro-Americana, a Província BRA e o OLMA afirmam o compromisso com os povos indígenas, os afrodescendentes, os migrantes, os refugiados e tantos outros que lutam cotidianamente por sua sobrevivência […]”

Luiz Felipe Lacerda, secretário executivo do OLMA

Segundo Luiz Felipe Lacerda, secretário executivo do OLMA, todos somos chamados a lutar pelo respeito à dignidade humana. “A humanidade vive, no presente, tempos tenebrosos em que tanto em nível local, regional e nacional, como em nível internacional, os Direitos Humanos, principalmente das populações socioeconomicamente mais vulneráveis, correm múltiplos e sérios perigos”, aponta. Ele ressalta que “com o apoio ao chamado da Província Centro-Americana, a Província BRA e o OLMA afirmam o compromisso com os povos indígenas, os afrodescendentes, os migrantes, os refugiados e tantos outros que lutam cotidianamente por sua sobrevivência frente a Estados Nacionais, que mesclam discursos liberais com políticas exógenas, discriminatórias, xenofóbicas e fascistas”.

O OLMA convida todos os jesuítas e colaboradores da Companhia de Jesus no Brasil e os integrantes da Rede Nacional de Promoção da Justiça Socioambiental, a unirem-se aos irmãos da América Central, do Canadá e dos Estados Unidos, divulgando, debatendo e tomando posição dentro do manifesto. “O modo de proceder da Companhia de Jesus, nos oferece uma chave muito rica para orientar a conduta a ser adotada: ter presença apostólica de escuta, acolhida e empatia; desenvolver profundidade no conhecimento do que sucede; cooperar com os outros e a participar em redes; usar criatividade em nossas ações adaptando-nos aos novos tempos, meios e linguagens para, assim, promover incidência sócio-politica-cultural e empoderamento popular”, finaliza Lacerda.

 

Crédito da foto: Robert Atanasoviski/AFP