Igualdade de gênero é debatida no Colégio Loyola

Mulheres em posições de destaque em suas funções visitaram alunos do 2º ano

Alunos do 2º ano do Ensino Fundamental do Colégio Loyola receberam visitas ilustres no dia 31 de agosto. O convite surgiu depois de um questionamento dos próprios estudantes: ao ler uma história em quadrinhos sobre cientistas brasileiros, eles estranharam a presença de poucas mulheres. Em conjunto com a professora Zélia Guimarães, meninos e meninas conheceram um pouco sobre a desigualdade que ainda existe no Brasil e no mundo e tiveram contato com sete mulheres que alcançaram funções de destaque em suas áreas de atuação. Foram elas:

  • Alexandra Gazzinelli, assessora pedagógica da Diretoria Acadêmica do Colégio Loyola.
  • Maria de Lourdes Castelo Branco, professora e pesquisadora aposentada do curso de Farmácia da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).
  • Aristhea de Souza Totti e Silva Castelo Branco de Alencar, advogada da União.
  • Kárin Emmerich, desembargadora da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais e superintendente da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica.
  • Cláudia Romualdo, coronel reformada da PMMG (Polícia Militar de Minas Gerais), atual secretária de defesa Social de Vespasiano e primeira mulher a ocupar cargo de Comandante de Policiamento da Capital mineira.
  • Mônica Castelo Branco Savernini, tenente-coronel da PM, integrante do quadro de oficiais de saúde, especialista em odontopediatria.
  • Marisa de Oliveira Costa, delegada da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher.

Diante de uma plateia muito curiosa e atenta, elas explicaram que a mulher pode ocupar os espaços que desejar e mostraram a importância de homens e mulheres trabalharem juntos pela ampliação da igualdade de direitos e deveres. Como resumiu a convidada Cláudia Romualdo, “só com muito amor e respeito a gente vai conseguir melhorar o mundo”. Apesar da pouca idade, os alunos manifestaram o desejo de contribuir por um mundo melhor, apontando a admiração que têm pelas mães, avós, tias, professoras e outras mulheres que conhecem. Eles trouxeram para o bate-papo uma preocupação genuína com as estatísticas que demonstram diferença salarial, desproporção de carga de trabalho em casa e também situações de vulnerabilidade enfrentadas diariamente.

O projeto

A ideia da palestra surgiu após a leitura de uma revista em quadrinhos. Essa ação fez parte da atividade Pequenos cientistas, grandes descobertas, que integra o Projeto de Série do 2º ano, Acordando Palavras, em que os alunos são envolvidos em uma proposta de escrever suas reflexões e curiosidades. Cada turma desenvolveu atividades específicas, a partir da leitura da revista em quadrinhos Sim, nós temos cientistas, produzida pela Fundação Carlos Chagas.

 

Fonte: Colégio Loyola (Belo Horizonte/MG)