AUSJAL condena situação atual da Nicarágua e Venezuela

Associação de Universidades alerta para a crise política e social enfrentada pelos dois países

A preocupação com a situação atual da Nicarágua e Venezuela levou a Associação de Universidades Confiadas à Companhia de Jesus na América Latina (AUSJAL) a publicar uma carta à comunidade internacional. Na declaração, elaborada durante reunião em Guadalajara (México), entre os dias 13 e 17 de maio, a entidade cita a grave crise de governabilidade e de direitos humanos enfrentadas pelos dois países.

A AUSJAL alerta para a repressão brutal desses governos contra civis, que tem causado mortes e prisões injustificadas, além de levar um grande número de pessoas ao exílio e a emigrar. “A presença de migrantes em numerosos países da América Latina e do mundo nos faz sentir de perto a magnitude da crise e nos motiva a promover estratégias internacionais de ajuda humanitária”, diz a entidade em um trecho da carta.

Em solidariedade aos povos da Nicarágua e Venezuela, a AUSJAL pede ainda que “governos, instituições e populações de ambas nações se empenhem em busca de uma solução pacífica para deter a crescente crise sociopolítica nesses países, para restaurar o Estado de Direito e para avançar no caminho da democracia, da verdadeira justiça e da paz”.

A entidade solidariza-se ainda com a situação enfrentada pelas universidades ligadas à AUSJAL dos países e, particularmente, ao padre jesuíta José Alberto Idiáquez, reitor da Universidade Centro-Americana (UCA), da Nicarágua, que foi ameaçado de morte por seu trabalho em defesa da vida e dos direitos humanos.

Por fim, a AUSJAL reitera seu apoio incondicional ao trabalho que as instituições de Ensino Superior promovem na formação dos jovens desses países, para que possam contribuir para o desenvolvimento dessas nações.

Acesse o texto original da carta da AUSJAL clicando aqui.