Os apóstolos foram chamados por Jesus a promover a palavra de Deus. Assim como eles, Cristo continua chamando as pessoas para segui-lo.

Algumas pessoas são chamadas a servir à Igreja como leigos e outras, como religiosos, nas diversas ordens e congregações. Por isso, toda vocação cristã é, antes de mais nada, uma vocação ao seguimento de Jesus. Na Igreja Católica, há diversas formas de segui-lo e servi-lo, o que se chama de carisma. “Quanto mais um carisma dirigir o seu olhar para o coração do Evangelho, tanto mais eclesial será o seu exercício”, papa Francisco em sua encíclica A alegria do Evangelho.

O carisma da Companhia de Jesus é o serviço da fé, do qual a promoção da justiça, o diálogo inter-religioso e com a cultura moderna são frutos de uma fé comprometida com o Reino. Há atitudes, valores e padrões de conduta que, em seu conjunto, constituem o que podemos chamar de características da vocação à Companhia de Jesus. Elas nasceram da vida de Inácio e dos primeiros jesuítas e das necessidades apostólicas encontradas. Essas características hoje são as seguintes:

PROFUNDO AMOR PESSOAL A CRISTO

A profunda identificação pessoal com Cristo é a principal característica da vocação jesuítica.

CONTEMPLATIVOS NA AÇÃO

O jesuíta sente-se unido ao Deus que trabalha continuamente pela salvação de todos.

UM CORPO APOSTÓLICO NA IGREJA

O jesuíta está ligado à Igreja e ao Papa, para que este o envie para onde houver maior necessidade.

AO LADO DOS MAIS NECESSITADOS

Fazem-se solidários com os pobres para que possam participar dos processos que modelam a sociedade.

PARCERIA COM OUTROS

Os jesuítas desenvolvem ampla rede de parceria e colaboração com outros, cumprindo a oração sacerdotal de Cristo: “que todos sejam um” (Jo 17,20).

UM MINISTÉRIO INSTRUÍDO

É característica da vocação jesuíta superar preconceitos mediante o estudo, o ensino e a reflexão teológica e fazer do Evangelho uma verdadeira “Boa Nova”.

HOMENS DISPONÍVEIS PARA NOVAS MISSÕES

O jesuíta deve ser alguém consagrado à missão, livre de todo interesse mundano e livre para servir a todos.

SEMPRE EM BUSCA DO MAGIS

É preciso que o jesuíta não se acomode com o já realizado e tenha uma audácia que o leve a novas fronteiras e a novos desafios.

Estamos convencidos de que Deus chama a cada um em particular. Entretanto, cremos que, algumas vezes, esse chamado particular é feito a indivíduos que servirão em uma missão comum, uma mesma e única vocação. A Companhia de Jesus é, portanto, uma possibilidade entre muitas de se fazer servidor da missão de Cristo.

Assim, explicitar a dimensão vocacional em nossas obras é reconhecer e valorizar nosso próprio chamado e abrir caminhos para que os jovens conheçam e tenham a coragem de responder fielmente aos apelos que Deus lhes propõe. É aproximar do sonho de ver surgir, entre as pessoas com quem trabalhamos, vocações para a Companhia de Jesus.

Com o objetivo de prestar um serviço à Igreja, a Companhia de Jesus trabalha o Discernimento Vocacional em três etapas:

PROMOÇÃO

Todas as atividades promovidas pela Companhia de Jesus para a juventude levam os jovens a se perguntarem pelo sentido da vida. Em todas as regiões do Brasil, são organizados Exercícios Espirituais para Jovens, propondo a eles a elaboração de seus projetos de vida. Os Centros, as Casas, os Espaços MAGIS e as obras da Companhia de Jesus organizam, na programação anual, além das atividades cotidianas para jovens, atividades específicas para o despertar vocacional.

ACOMPANHAMENTO

O serviço de acompanhamento dá-se de forma pontual e contínua com aqueles que se encontram inquietos vocacionalmente. O jesuíta busca, no acompanhamento, apresentar e perceber sinais vocacionais no jovem para a Companhia de Jesus. Esse acompanhamento ocorre de forma individual e em grupos, por meio dos GAVI (Grupo de Acompanhamento Vocacional Inaciano).  Após o acompanhamento vocacional responsável e contínuo ser aprovado, o candidato será enviado a uma de nossas residências para dar continuidade ao discernimento vocacional, tendo como horizonte a entrada no Noviciado da Companhia de Jesus.

PLANO DE CANDIDATOS

O projeto de discernimento vocacional em residências da Província permite ao candidato um acompanhamento e discernimento mais aprofundados, que o ajudam a crescer na consciência e liberdade para responder ao chamado à vida religiosa na Companhia de Jesus. Por meio da convivência comunitária e da identificação com um grupo de jesuítas, busca-se ajudá-lo em seu processo de discernimento vocacional, para confirmar e decidir-se a pedir ingresso ou não na Companhia de Jesus.

O jovem que está inquieto vocacionalmente e deseja conhecer a Companhia de Jesus deve procurar uma obra ou missão da Companhia na cidade mais próxima, principalmente as que trabalham diretamente com jovens, e manifestar o desejo a um jesuíta, que fará os encaminhamentos necessários. Também pode fazer contatos por e-mail para saber mais sobre o processo de acompanhamento vocacional:

VOCACAO@JESUITASBRASIL.ORG.BR

FORMAÇÃO JESUÍTA

Uma das características da Companhia de Jesus é a sólida formação de seu corpo apostólico. Nesse tempo, dividido em várias etapas, os jesuítas são preparados para a missão.

A missão do Noviciado é ajudar o noviço a viver uma experiência transformadora de Deus. Durante dois anos, o jovem dedica-se à oração pessoal, às leituras e aos estudos sobre Santo Inácio de Loyola e à história da Companhia de Jesus. Nessa etapa, ele tem experiências marcantes como os Exercícios Espirituais de trinta dias, o trabalho voluntário em hospitais, a peregrinação, entre outras.  Essas experiências visam a ajudar que sua decisão seja construída sobre sólidos e profundos alicerces. O noviciado está localizado em Feira de Santana (BA).

Após fazer os primeiros votos, o júnior tem a oportunidade de integrar os valores espirituais que recebeu no noviciado com outras dimensões importantes da vida do jesuíta: a vida comunitária, o apostolado e o estudo em diversas áreas das humanidades (literatura, comunicação, línguas estrangeiras, etc.). Vivendo a simplicidade de uma comunidade localizada na periferia de Belo Horizonte (MG), espera-se, com essa etapa, que o jovem jesuíta desperte para a complexidade do mundo atual, contemple novos horizontes e cresça no desejo de um serviço mais universal, percebendo a presença de Cristo em todos esses ambientes.

O juniorado tem a duração de um ano, podendo se estender por mais tempo, seja para os candidatos ao sacerdócio (escolásticos), seja para os irmãos.

Após o juniorado, o Irmão jesuíta é enviado para estudos universitários ou técnicos, em vista a uma formação profissional que lhe ajude em sua missão. O curso a ser estudado será discernido com o provincial (superior da Companhia de Jesus no país) e poderá ser feito em qualquer lugar onde haja uma comunidade jesuíta. A formação espiritual, pastoral, humano-afetiva e comunitária é garantida nessa comunidade. É também oferecida ao jovem Irmão uma iniciação aos estudos teológicos.

Os estudos filosóficos acontecem em Belo Horizonte (MG) e, em geral, duram três anos. É um tempo de reflexão séria, de tomada de contato com as grandes correntes do pensamento da humanidade, de posicionamento crítico diante das correntes ideológicas e tempo para aprender a refletir com lógica e precisão, abrindo-se a outras formas de pensar e criando bases para um posicionamento maduro e crítico da realidade. Alguns poderão cumprir essa etapa também em outros filosofados jesuítas da América Latina.

É um período de inserção em uma obra apostólica. Feita após os estudos de Filosofia, essa etapa tem por objetivo contribuir para que o jovem alcance a maturidade religiosa e apostólica, integrando-se mais ao corpo apostólico da Companhia de Jesus, conhecendo-se mais e testemunhando sua fé. Nesse tempo, ele é convidado a exercitar-se no dom de si e na disponibilidade inaciana, assumindo as responsabilidades de um apostolado duradouro. O magistério normalmente dura dois anos e pode ser feito em qualquer lugar do Brasil ou do exterior, onde a Companhia esteja presente.

Os estudos teológicos preparam o jesuíta para a ordenação presbiteral. Nessa etapa, a Teologia pretende integrar as diversas dimensões ou aspectos formativos que configuram o jesuíta, como vida no Espírito, amadurecimento humano e vida comunitária, estudos e apostolado e a integração no corpo apostólico da Companhia de Jesus. Depois dos três anos de estudos de Teologia, o jovem jesuíta é ordenado diácono e, após seis meses de ministério, é ordenado presbítero. A Companhia conta com três grandes centros de formação teológica na América Latina, além de outros na Europa e nos EUA. Um deles, a FAJE (Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia), está localizado em Belo Horizonte (MG).

Após alguns anos exercendo o apostolado como padre ou irmão e antes de ser acolhido definitivamente no corpo apostólico da Companhia de Jesus, o jesuíta deve realizar a última etapa, conhecida como a Terceira Provação. Nesse momento, o jesuíta é convidado novamente a mergulhar na profundidade da experiência dos Exercícios Espirituais de trinta dias e no estudo da espiritualidade e do carisma da Ordem religiosa.

Em nosso tempo, em que a sociedade está submetida a mudanças rápidas e a evoluções constantes, com o surgimento de novos valores, um apostolado adequado exige do jesuíta um processo de formação permanente que o capacite a dialogar e a construir respostas mais adequadas para cada situação. Os meios de atualização teológico e pastoral são escolhidos em discernimento com os superiores. Tendo em vista a missão que lhe for confiada, o jesuíta será enviado para a atualização mais adequada.

MISSIONÁRIOS PELO MUNDO

Por meio do Serviço Jesuíta de Refugiados – JRS, a Companhia de Jesus atua em áreas de desastres naturais e de conflitos, prestando assistência e realizando atividades de educação, saúde e de serviços sociais. Presente em todos os continentes, o JRS desenvolve ações em mais de 50 países, beneficiando em torno de 900 mil pessoas em situação de vulnerabilidade. Desde a sua criação, em 1980, o JRS tem trabalhado ininterruptamente.